Travessia Lapinha x Tabuleiro, roteiro de trekking em Minas Gerias

A travessia Lapinha x Tabuleiro, em Minas Gerais, é comumente conhecida por montanhistas e trilheiros brasileiros e é considerada uma das mais clássicas do país, se destacando pelas montanhas, vales e cachoeiras ao longo do caminho.

Essa caminhada cruza a Serra do Espinhaço, uma cadeia de montanhas que pode até ser denominada de Cordilheira Brasileira! A serra se estende por mais de 1.000km entre Minas Gerais e Bahia, incluindo a Serra do Cipó e Chapada Diamantina (por isso essas regiões são semelhantes).

Trilha durante a Travessia Lapinha x Tabuleiro em Minas Gerais

Trilheiros durante a Travessia Lapinha x Tabuleiro em Minas Gerais

Sempre-Viva, flor típica da região durante a Travessia Lapinha x Tabuleiro em Minas Gerais

Sempre-Viva, flor típica da região

Cachoeira do Tabuleiro

A Cachoeira do Tabuleiro, com 273 metros, é a terceira mais alta do Brasil e um dos destaques da travessia Lapinha x Tabuleiro. É possível visitar tanto a parte alta da cachoeira quanto a parte baixa durante a caminhada (recomendamos as duas). Para ver a cachoeira por cima, temos que nos debruçar sobre o precipício de quase 300 metros, algo que pode gerar vertigem até nos mais corajosos.

Vista do topo da Cachoeira do Tabuleiro em Minas Gerais

Garganta ou topo da cachoeira do Tabuleiro em Minas Gerais

Rotas de Trekking

Há várias rotas possíveis, mas são duas rotas principais normalmente realizadas em três dias de trekking. A distância percorrida fica entre 35 e 45 km, dependendo da rota. A Rota Tradicional contorna o Pico do Breu pela parte sul, sendo mais fácil de ser realizada. A Rota Via Pico do Breu apresenta um nível maior de dificuldade, porém oferece um visual mais amplo da região. Também é possível fazer a ascensão ao Pico da Lapinha nessa segunda rota. A travessia pode ser feita nos dois sentidos, mas comumente inicia-se pela Lapinha.

Pico da Lapinha durante a Travessia Lapinha-Tabuleiro em Minas Gerais

Vista do topo do Pico da Lapinha

Pernoites

Os pernoites ocorrem em pontos de apoio que funcionam como acampamentos. É tradição passar a primeira noite na casa da Dona Ana Benta (falecida) e a segunda noite na casa da Dona Maria. Outras variáveis também são possíveis. Se a caminhada iniciar logo cedo, é possível ir direto para a casa da Dona Maria (cerca de 22km em um dia), ficando o segundo dia para conhecer a parte alta da Cachoeira do Tabuleiro. Algumas pessoas costumam acampar na Prainha do Rio Parauninha, pouco antes da casa da Dona Ana.

Grupo de trilheiros na Casa do Seu José durante a Travessia Lapinha x Tabuleiro em Minas Gerais

Casa do Seu José

Quando ir

É possível fazer a travessia durante todo o ano. Porém a cachoeira do Tabuleiro tem alto risco de tromba d´água e seus acessos fecham caso haja previsão de chuva forte. O período de maior volume de chuvas ocorre no verão.

Como chegar

A logística é a parte mais complicada dessa travessia. As vilas da Lapinha e do Tabuleiro são pequenas e não possuem opções de transporte regular.

  • Transporte público: para chegar à Lapinha existem ônibus diários da empresa Saritur que fazem o trajeto Belo Horizonte-Santana do Riacho. De Santana do Riacho para a Lapinha são 11km de estrada de terra. Desse ponto é possível conseguir um transfer ou tentar uma carona. O transfer é feito pelos próprios moradores ou por táxi e é preciso perguntar no local. Para sair de Tabuleiro também é preciso pegar um transfer até Conceição do Mato Dentro. De lá, existem ônibus regulares para Belo Horizonte.
  • De carro: quem está de carro pode seguir até a Lapinha. São 140km de Belo Horizonte, cerca de 3 horas de carro. É necessário encontrar uma forma de voltar de Tabuleiro para a Lapinha. Em geral, um transfer ou táxi entre as vilas fica em torno de R$350.

Dicas

– Fizemos a travessia por conta própria. Existem muitos guias e agências que podem acompanhá-los na travessia. Alguns oferecem serviço de mulas para carregar os equipamentos. Nós somos contra o uso de animais para o turismo. A travessia não é difícil e podemos carregar um bom peso nas costas com o mínimo de preparo 😉

– Recomendamos o uso de GPS para os que se aventuram sem guia, pois a orientação pode ficar muito difícil em dias com neblina ou chuva.

– Água não foi um problema durante a travessia, mas fomos na época de chuva. Leve purificadores de água.

– Atentar para carrapatos e cobras. Nós vimos uma cascavel no meio da trilha.

– Hospedagem na Lapinha: Camping Bromélias ou pousadas.

– Hospedagem em Tabuleiro: Pousada Gameleira ou Camping do Cani (R$15).

Valores

  • Entrada Parque Estadual Serra do Intendente: R$20
  • Camping Dona Maria e Seu José: R$10 por pessoa / Banho quente: R$5
  • Entrada Parque Natural Municipal de Tabuleiro: R$10

Charlico e Larissa

Juntos há 12 anos, desenvolvemos a paixão por viagem e aventura. Sempre que podemos unimos um ao outro. buscamos realizar o máximo de atividades possíveis em cada viagem. Ele é publicitário e baterista. Ela é veterinária, fotógrafa e entusiasta de yoga.

Você pode gostar...